Skip to main content

Como ensinar o seu filho a ser um tapado (ou: por que as mulheres não merecem tratamento especial)

Recentemente uma mãe fez uma postagem no Facebook que se tornou viral. Nela, ela descreve como está educando seu filho de 6 anos de idade para se tornar um verdadeiro cavalheiro.

O menino está sendo ensinado a fazer tudo o que um príncipe encantado da Disney deve fazer: levar uma garota para um encontro numa lanchonete, abrir a porta quando ela passar, perguntar e ouvir sobre o dia dela, pagar uma gorjeta muito maior do que a necessária para a garçonete e ainda usar o dinheiro recebido pelo seu trabalho para pagar toda a conta.

Até o momento a postagem já teve quase 3 milhões de curtidas, meio milhão de compartilhamentos e mais de 100 mil comentários.

Milhares de mulheres elogiaram a linda atitude dessa mãe. Outras milhares disseram que farão o mesmo com os filhos delas. Algumas outras milhares estão ferrenhamente rebatendo as bem vindas críticas na postagem.

Já uma pessoa madura rapidamente percebe quase uma dezena de problemas graves nessa história.

O que uma mãe perturbada mentalmente ensina ao seu filho

Antes de continuar, talvez seja melhor você ler o texto completo. Ele é bem curto e pode ser facilmente traduzido no Google Tradutor.

Agora que você leu, a primeira coisa importante a reparar é isso:

O menino leva a própria mãe para um encontro uma vez por mês. Eles não estão saindo para comer um lanche ou para se divertir. Essa mulher está fazendo uma criança de 6 anos chamar a própria mãe para um encontro com ela.

Talvez a palavra encontro não seja a melhor tradução possível, mas eu não consigo pensar num termo mais adequado para “date” (que é o termo que ela usa). Date, em inglês, significa um encontro com intenção amorosa e/ou sexual.

Essa mulher está ensinando o filho a levar a própria mãe em um encontro amoroso / sexual. 

Veja o absurdo que essa mulher mentalmente perturbada está cometendo contra o próprio filho.

Se você ainda não achou completamente desconcertante essa atitude, imagine se os gêneros fossem trocados: qual seria a reação das pessoas se um pai de 30 anos de idade levasse a filha de 6 anos de idade para um encontro amoroso uma vez por mês?

Você acharia bizarro e ainda sentiria uma pontinha de pedofilia nessa atitude.

Mas vamos deixar um pouco de lado essa parte “sexual” bizarra do encontro de lado.

Como fazer seu filho um tapado

Essa mulher faz com que o filho realize trabalhos domésticos (“chores“) para receber dinheiro de mesada. Até aí, nenhum problema.

Mas ela faz com que o filho trabalhe para ter dinheiro para levá-la jantar e no final pagar a conta toda.

Cara. Para um segundo.

O menino trabalha o mês inteiro, recebe uma mesada e aí é obrigado a levar a própria mãe para jantar, pagar tudo e ainda dar uma gorjeta acima do normal?

Você sabe exatamente o que está sendo ensinado a essa criança?

Ele está sendo ensinado que ele deve pagar para ter atenção feminina.

Ele está sendo ensinado que o correto é que ele deve trabalhar o mês inteiro, receber o contra-cheque dele, e gastar todo o seu dinheiro com uma mulher.

Ela, por seu lado, não precisa fazer nada em troca. Ela só recebe.

Ela vai falar do seu dia entediante por horas e ainda comer de graça. Ah, e nem a própria cadeira ela vai precisar puxar na hora que for sentar.

É isso que um homem deve ser ensinado?

A criança está aprendendo a se tornar um tapado. Ele vai crescer achando que deve gastar todo seu tempo e dinheiro em troca de um pouco de atenção feminina.

O que uma criança precisa nessa idade

Pra começar, criança nenhuma no mundo vai querer passar uma noite inteira sentada em uma mesa de restaurante enquanto ouve as besteiras sem graça da rotina de um adulto. Menor será sua vontade se essa criança ainda tiver de pagar por isso.

Um menino de 6 anos, nessa idade, quer correr, brincar, pular, se machucar, machucar os outros, lutar, inventar histórias, se aventurar..

E a primeira coisa que o menino deve pensar quando receber seu suado dinheiro de mesada no fim do mês é em comprar uma bicicleta pra correr como um doido, um boneco perigoso e mortal pra lutar com seus amiguinhos, um video-game pra ficar quieto e dar um pouco de paz pros pais por alguns minutos.

Ele precisa ser ensinado o valor do dinheiro.

Ele não deve, nunca, associar o valor do dinheiro ao seu próprio valor como pessoa.

Se ele tem alguma mínima vontade de interagir com garotas de forma “amorosa” (o que é muito improvável) ele deve interagir com garotas da idade DELE, não com uma adulta. E jamais com a sua mãe.

(obrigá-lo a repetir mensalmente essa atitude com a própria progenitora vai criar um terrível caso de incesto emocional no futuro)

Ele não deve passar horas ouvindo o papo chato de uma mãe solteira de 30 anos (aliás, a tal da mãe foi estrela de um reality show chamado “Grávida aos 16 anos”.. é, tem algo aí).

Ele não deve aprender a abrir as portas para uma mulher passar, ou puxar a cadeira pra ela sentar, ou pagar pelo seu tempo. Ela não é uma rainha.

Ela não é mais do que ele. Ela nada mais fez do que nascer com dois cromossomos X.

Por que essa mulher está ensinando o menino a dar tratamento especial às mulheres? Por que ela acha que ela merece tratamento especial só porque é mulher?

Pra ilustrar melhor o que estou querendo dizer, quero que você, mais uma vez, imagine os gêneros trocados: se um pai ensinasse a filha a como tratar um homem em que ela estivesse interessada.

Essa menina não apenas teria de passar um mês todo trabalhando para pagar a conta do restaurante, como ela iria ter de puxar a cadeira do homem quando ele fosse sentar, abrir as portas pelas quais ele fosse passar, se preocupar em fazer com que ele tivesse a melhor noite do mundo e ainda perguntar sobre a vida entediante dele E se fingir de interessada no que ele tivesse a dizer.

Seria bizarro, não acha? Então por que o oposto não é?

Um exercício que vai mudar o seu comportamento daqui pra frente

Exercicio friendzone

Quando se deparar com alguma situação com uma mulher que te irrite ligeiramente, tente ao máximo imaginar que ela não tem uma buceta. Tente ao máximo tratá-la como se fosse uma outra pessoa qualquer, uma pessoa que você não tivesse a vontade de comer.

Suas atitudes seriam as mesmas?

(imaginar ela como uma mulher feia e gorda que você não sente nenhuma atração também funciona)

Esse é um exercício que você deve fazer em praticamente todas as interações com mulheres na sua vida.

Se você vai sair com uma mulher e ela exigir que você a busque do outro lado da cidade, imagine se a situação fosse com um amigo.

Você o buscaria? Você aceitaria que ele EXIGISSE que você o buscasse caso contrário ele não sairia com você?

Se você for pagar uma conta no bar ou restaurante e a mulher nem se manifestar em dividir a conta, imagine que você estivesse com um colega.

Você iria achar aceitável a atitude dele de deixar que você pagasse tudo sozinho?

Se você estivesse em uma reunião de negócios e a sua colega feia exigisse que você puxasse a cadeira dela, você faria sem pensar duas vezes?

Se um amigo seu te tratasse mal todo mês, em uma certa semana, só porque os hormônios dele foram afetados pela TPM, você acharia que essa é uma atitude normal?

Etc, etc, etc.

Eu duvido que em qualquer uma dessas situações, ou de milhares de outras situações, um homem daria tratamento especial pra alguém se essa pessoa não fosse uma mulher atraente.

É isso que eu chamo de dar um “tratamento igual”.

Conclusão

Essa mãe está ensinando o filho dela a ser um tapado. Se ele seguir tudo o que ela disse, ele será um capacho de mulheres.

Ele dará um tratamento todo especial para as mulheres mas no final será desprezado. Porque não é isso que uma mulher quer

Por mais que elas digam que queiram essas “qualidades” em um homem, as mulheres não sabem o que querem.

Elas acham que querem um cara bonzinho que a tratem como deusas, mas na verdade elas querem um homem másculo e Alfa que saiba tratá-las como devem ser tratadas.

Nikkole paulun e as besteiras feministas

Se você ler algum dos 140 mil comentários da postagem do Facebook, vai ver isso.

Elas dizem que querem um homem que as venere e as trate como deusas ou como rainhas. Elas dizem que pra conseguir sair com elas, o homem precisa ser um super cavalheiro que nunca vai criticá-la ou fazê-la ficar brava, enquanto dedica toda sua vida por ela.

Mas no fim do dia, elas passam a noite na cama de um homem de verdade, um homem que sabe que elas não precisam de tratamento especial pra levá-las pra casa.

Como diz o ditado “Se você quer aprender a pescar, não pergunte ao peixe como ele quer ser pescado. Pergunte ao pescador.”

Do mesmo jeito se você quer aprender a atrair uma mulher, não pergunte a uma mulher como ela quer que você faça isso. Pergunte a alguém que tem sucesso com elas.

 

 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO COM SEUS AMIGOS:
  • Daiane

    Eu acho que vc tá fazendo uma puta tempestade em copo dagua por uma coisa tão pequena que não tem nada a ver

    Seje menas

    • Denis Carvalho (admin)

      Seria uma pequenice se não tivesse se tornado um viral mundial. Se as 3 milhões de pessoas que deram like começarem a ter “encontros românticos” e/ou relacionamentos emocionalmente incestuosos com seus filhos, as próximas gerações serão completamente problemáticas.

      • edilson filho

        também pensei dessa forma!!! rs imagine todas essas mulheres entrando no jogo dessa mulher…..

    • PC

      Explique…

  • João Nuno

    a algum tempo que não recebia novos posts, pensei que tivesse acontecido alguma coisa… excelente artigo.

    • Denis Carvalho (admin)

      Foi só um período de recesso de fim de ano hahahah obrigado pelo elogio!

  • Francisco Franchini

    A falta que um Pai faz é foda.

    • Denis Carvalho (admin)

      Exato, a falta de um pai na criação de um filho pode causar consequências pesadas na mente de meninos e meninas.

  • Aesshma

    Cara esse foi um texto de um gênio!

    • Denis Carvalho (admin)

      Valeu, Aesshma!

  • Julio

    É o que sempre comento aqui nos seus textos: enquanto existir homem que faz tudo por mulher por causa de buceta, nada vai mudar.

  • Rafael

    Cara, duas coisas. “Date” nem sempre tem cunho amoroso ou sexual, é comum duas pessoas marcarem algo e chamarem de “date”. “Appointment”, por exemplo, seria algo muito formal, “hang out” juvenil e assim por diante. Enfim, não tem só cunho amoroso ou sexual. A respeito da gorjeta, imagino que o post seja de uma americana, e, se for, 15% é o normal, já que 10% é ofensivo…Aliás, até 20% é considerado normal, só acima disso seria uma “big tip”.

    • Denis Carvalho (admin)

      Rafael, sim, existe uma pequena porcentagem (bem rara) em que date não tem cunho sexual ou amoroso. O que não é o caso. No exemplo, tudo o que norteia o “date” é o mesmo que nortearia um encontro entre um homem e uma mulher que têm uma intenção sexual um pelo outro.

      Sobre a gorjeta, eu não sabia disso. Obrigado pela informação.

  • Cardiel

    Sobre aquele exemplo de exigências, queria perguntar uma coisa. Há um tempo saí com dois amigos e uma menina, fomos a uma lanchonete e um deles(amigo já faz 4 anos) tava sem grana, perguntei se ele queria que eu emprestasse e ele me diz “você vai me emprestar!”. Respondi de forma brincalhona e emprestei, o que deve ter sido muito beta aos olhos da menina, e queria saber de que maneira eu poderia ter recusado a exigência ou como deveria ter respondido de maneira que não soasse tão “submissiva”

    • Denis Carvalho (admin)

      Cardiel, se ela é uma amiga não vejo problema algum em emprestar, da mesma forma que não haveria problema em emprestar pra um amigo.

      Mas se é uma garota que você só conheceu no dia, eu não emprestaria (a menos em uma situação crítica de emergência) da mesma forma que eu não emprestaria para um cara que eu conheci no dia. Não confio dinheiro com quem eu não tenho intimidade, não importa se é mulher ou homem.

    • Dan

      o Denis não entendeu tua pergunta. Vou dar um exemplo pessoal, quando eu banco meus amigos a gente diz que nessa noite o bancado é nossa “puta”. Claro, amigos intímos. Você tava desconfortável com o tom imperativo que o seu amigo demandou que você emprestasse e achou que emprestando sem responder a altura estaria passando a impressão de beta pra garota expectadora correto?

      Responder “Claro que eu te banco po, tu é minha puta, depois que tu receber dos clientes tu me passa minha parte ;)” poderia diminuir essa sensação de sair por baixo. Isso foi só um exemplo, tudo depende do teor de amizade entre vocês.