Skip to main content

Como parar de pensar vai te trazer sucesso com as mulheres

Esse é um assunto que eu comecei a escrever no último artigo, mas decidi fazer um artigo novo só pra isso.

E com este artigo aqui, eu vou dar um exemplo de como aprender a lidar com o seus pensamentos pode acabar com sua ansiedade de aproximação e fazer com que você viva o momento muito mais intensamente.

E, de quebra, você vai se divertir muito mais com os momentos bons e não se preocupar tanto com os momentos ruins.

E não importa se você só quer sexo causal, se você só quer ter uma amiga de foda, se você quer uma namorada ou uma esposa..

Ou até mesmo se você quer se alimentar melhor, ter melhores relacionamentos com seus filhos ou seus pais, conseguir um emprego melhor…

Tudo se resume a uma coisa só:

Como pensar direito te torna uma pessoa mais centrada e, consequentemente, uma pessoa melhor.

Este exemplo de hoje é um exemplo simples e banal de uma balada, mas acompanhe comigo:

****

Eu lembro de uma vez, tempos atrás, que fui em uma balada com uns amigos meus.

Faziam alguns anos que a gente não se via, então era esperado que cada um de nós tivesse mudado ao longo do tempo.

Quando nós saíamos juntos eu era exatamente igual a eles: morria de medo de dar em cima das mulheres e por isso eu enchia a cara pra tomar coragem.

Só que a bebida quase nunca me trazia a coragem que eu precisava

Se eu bebesse pouco eu só conseguia um pouco de coragem para talvez encarar uma ou outra garota…

Mas para conseguir realmente chegar em alguma mulher eu precisava de mais.

Então eu bebia mais e mais e mais.

Até chegar num ponto que eu dava em cima das mulheres mais feias do lugar só porque eu tava desesperado.

Bom, como você já deve saber, eu mudei muito ao longo dos tempos.

E esperava que quando encontrasse meus amigos, eu iria ver que eles também mudaram…

Cheguei atrasado nessa balada e meus amigos já estavam lá dentro.

E por isso tive que pegar a fila sozinho e parei atrás de duas garotas e um cara.

Só que hoje, sem nem me questionar e sem ter 1 gota de álcool no sangue, puxei assunto com esse grupo, fiz amizade com todos, brinquei com eles, e, pra minha alegria, eles tinham um ingresso VIP sobrando que me ofereceram só por eu ter sido simpático com eles.

Nisso, já economizei mais de R$100 de entrada naquele furdúncio.

Como o VIP teria de ser para um “casal”, eu fingi que era namorado da garota que estava solteira… e a partir de então a gente começou a brincar entre nós que estávamos casados e que nosso casamento ia de mal a pior..

Resultado: já tava meio caminho andado pra ficar com essa garota (que era quase uma Panicat mas com 1.50m de altura).

Entrei na balada, conversei com meus amigos, e quando fomos no segundo andar onde fica o bar, encontrei uma garota meio sem graça de rosto, mas perfeita de corpo, sozinha.

Cheguei pra ela, sem nem pensar por meio segundo, e falei:

“Ei, você tá bonita hoje. Tá se divertindo?”

Ela diz que não muito, porque estava segurando vela para um casal de amigos e que ela mal tinha bebido e blá blá blá.

Nem 5 minutos de conversa e ela já tava encostando no meu braço, dando risada das minhas piadas sem graça e se mostrando totalmente aberta às minhas investidas.

Resultado: mais uma que eu poderia chegar a qualquer momento e compartilhar do meu amor, porque eu já tinha criado uma ótima primeira impressão com as minhas brincadeiras.

Deixei ela de lado um pouco e fui para o bar, onde meus amigos estavam bebendo e conversando só entre eles mesmos.

Quando parei no bar e olhei o preço da cerveja no cardápio, fiquei espantado.

Malditos R$15 numa porra de uma garrafinha long neck de Heineken.

Uma garota tava do meu lado, e eu já puxei assunto com ela, sem nem pensar duas vezes:

“Cara, tá certo isso? É 15 reais uma Heineken mesmo?”

Ela diz algo do tipo “É meu, tá muito caro isso.”

Eu já aproveitei pra brincar.

Olhei pra ela meio indignado e disse:

“Você bem que podia pagar essa rodada ein. Nunca me pagou nada na vida!”

Ela deu risada e já começamos a conversar e trocar acusações de quem era o pior amigo (apesar de eu ter acabado de conhecer ela) e no fim ela me apresentou pra todas as outras amigas dela.

5 minutos depois estava eu, sozinho, dançando ao lado de quatro garotas que eu nunca tinha visto na vida.

Como sou um desengonçado quando o assunto é dançar sozinho numa balada, logo arranjei uma desculpa e saí dali.

Nisso, fui até os meus amigos, que ainda estavam apenas conversando entre eles mesmos.

Ainda.

Eles ali, bebendo sozinhos, gastando rios de dinheiro naquele bar caro pra cacete, e sem conversar com ninguém além de quem eles já conheciam.

Eles permaneceram na “bolha” segura e tranquila de só interagir com o conhecido.

Um deles estava até no Tinder, dentro da porra da balada.

Sim, ele pagou mais de R$100 de entrada só pra sorrir lá dentro e ainda tava mandando mensagens sem graça e entediantes pras garotas do Tinder…

Ele tava procurando por sexo casual no Tinder enquanto tinham várias garotas ali em volta dele só querendo se divertir naquela noite.

Um outro dos meus amigos entrou no Happn tentando encontrar uma das garotas da balada no aplicativo, pra tentar dar em cima dela…

E ela estava ali, praticamente na frente dele, dançando com uma amiga, desejando que um homem interessante chegasse nela.

Olha o nível do desespero e do despreparo da mente desses caras.

Esses meus amigos não mudaram nada desde quando nós saíamos juntos, anos atrás..

Continuavam com medo de tentar puxar assunto com alguma daquelas garotas que estavam sedentas de vontade de conhecer um cara novo.

Medo esse injustificável, porque nada de mal poderia acontecer pra eles.

No máximo eles iam ouvir um não.

Alguns poucos minutos de conversa e vi uma garota olhando pra mim.

Não pensei por meio segundo, fui até lá falar com ela.

“Ei, você tá bonita hoje. Tá se divertindo?”

A mesma coisa que disse pra outra garota.

Mas essa garota fez uma cara de bosta pra mim, como se eu tivesse estuprado a mãe dela, e disse “Tô!’, de uma forma super grossa, e então virou a cara pro outro lado.

De novo eu não pensei por meio segundo, virei as costas e voltei pros meus amigos.

E essa grosseria não permaneceu na minha cabeça por muito tempo.

Quase que instantaneamente eu acabei esquecendo isso.

Se isso tivesse acontecido anos atrás, tenho certeza que a atitude grosseira dela teria destruído com o meu humor durante a noite toda e eu ficaria totalmente inseguro diante de tal rejeição.

Mas eu não liguei.

Eu nem pensei nisso.

E o meu humor voltou exatamente ao que estava antes de ter sofrido essa rejeição.

Logo depois de alguns minutos, uma garota meio asiática se aproxima e fica parada do meu lado.

Bom, se você entende um pouquinho de linguagem corporal feminina numa balada, sabe muito bem que quando uma garota se aproxima de você e fica parada do seu lado, isso é praticamente um convite para que você converse com ela.

Falei exatamente a mesma coisa que já tinha falado pras outras duas, sem nem me questionar sobre isso:

“Ei, você tá bonita hoje. Tá se divertindo?”

Dessa vez o resultado foi totalmente diferente da garota anterior.

Ela vira pra mim, toda animada, e diz algo do tipo “Ai meu, queria dançar! Mas as músicas são estranhas”.

Sinceramente?

Pra mim música de balada é tudo igual, então não entendi muito bem o que ela quis dizer com isso.

Minha deixa foi dizer “Pô, balada é só rebolar e fingir que sabe do que tá fazendo!”

Aí dei uma rebolada ridícula que deixaria qualquer um envergonhado.

Ela deu uma gargalhada e logo estava eu, de novo, numa roda de garotas que eu nem conhecia, dançando igual um idiota.

Eu parecia um boneco de Olinda.

Só que, dessa vez, eu estava em uma roda de garotas asiáticas.

Mais uma vez, dei uma desculpa qualquer, porque eu não sei dançar, e saí dali pra ir até meus amigos de novo.

Que estavam conversando entre eles. Bebendo daquela bebida extremamente cara. Demonstrando pra todo mundo que eles não estavam se divertindo nada.

Um deles vira pra mim e fala “Porra Denis, você tá liso ein!”

Eu só dei uma risada e disse que tinha que ficar parado não ia resultar em nada.

Pouco tempo depois uma garota pega no meu ombro e sorri pra mim.

Era uma baixinha muito da feia.

Muito mesmo.

Já pensei “Vixi, vou ter que dar um fora nessa tilanguinha”

Mas ela disse pra mim “Viu, minha amiga ali gostou de você!”.

Por alguns instantes aflorou a esperança de que ia me dar bem sem fazer esforço nenhum.

Só que se você tem alguma experiência com baladas, sabe que quando uma mulher é tão direta assim as chances de ela ser feia é de 99%.

Dessa vez não foi diferente.

A garota que gostou de mim não era tão feia quanto a amiga que ela mandou ir falar comigo, mas ela não me agradou nem um pouco.

Tive que dar uma desculpa que me fez me sentir igual uma mulher “Ah, tô de boa! Tô me divertindo aqui com meus amigos! Valeu!”.

Dei um fora naquela garota como se eu fosse uma gostosa de vestidinho colado dando fora num gordo vesgo.

Só que aí que tá uma coisa: se aquela garota sem graça se colocou em uma posição de sofrer rejeição, coisa que as mulheres praticamente nunca fazem, isso queria dizer que teriam outras mulheres muito mais gatas interessadas em mim…

Mas como eu cheguei à essa conclusão?

Porque é bastante simples: o homem é sempre o agente ativo da conquista.

A menos que você seja um ator da Globo, quase nunca nenhuma mulher vai chegar pra você e dizer “olha, eu quero dar pra você”.

Não é assim que acontece.

Então, se uma mulher dá em cima de você em certo ambiente, é porque você está, naquele ambiente, com o status elevado.

E isso quer dizer que várias mulheres vão estar a fim de você naquele lugar.

E por que tantas mulheres ficaram interessadas em mim naquela noite?

Sinceramente, eu não estava fazendo nada de especial.

Eu só estava me divertindo.

E por isso mesmo eu tava exalando pré-seleção.

Porque eu não estava ligando pra nada e não tava pensando em nada.

Provavelmente quase todas as mulheres da pista de dança viram eu me divertindo e dançando igual um idiota no meio de vários grupos de mulheres, e conversando com várias mulheres…

E isso me colocou à parte de todos os outros homens daquela balada, que só ficavam olhando uns pros outros conversando entre si e não fazendo nada.

Depois disso, vi uma garota que era uma linda, que estava de óculos na balada, o que dava uma aparência de uma garota quietinha, meio nerd, mas sexy com um batom vermelho na boca…

Eu já tinha dado umas olhadas nela antes, naquela hora que eu tava dançando com as asiáticas…

Cheguei pra ela, sem nem pensar, e falei “Oi, só vim aqui dizer que tenho interesse.”

Ela deu risada e começamos a conversar.

Por algum motivo, a dúvida e a insegurança entraram na minha cabeça, por ela realmente ser muito bonita.

Dei uma desculpa e fui embora sem nem tentar nada com ela… sim, fiquei com medo.

Mas no meio do caminho, eu parei, dei meia volta, cheguei pra ela e perguntei “Viu, eu disse que tenho interesse. E você, tem interesse?”

Ela apenas riu.

Eu segurei na mão dela, puxei ela suavemente até mim e beijei ela.

Ficamos por algum tempo e deixei ela com a amiga dela pra ir no banheiro.

No meio do caminho, sem nem pensar, dei em cima de outra garota.

Uma loira alta, que tava de salto, deixando ela um pouquinho maior do que eu.

Ela fala pra mim:

“Sério que você vai dar em cima de mim com a boca toda suja de batom?”

E realmente, quando fui me ver no espelho do banheiro, eu tava todo vermelho de batom dessa garota nerd.

Limpei a boca e quando voltei, cheguei pra garota que reclamou do batom e disse:

“Pronto, já tô limpo. Agora você pode me beijar”

Ela deu risada e até chegou perto de mim, parecendo que ia me beijar… mas ela parou no meio do caminho e falou que me beijaria se eu não tivesse beijado todas as outras garotas da balada.

Apesar de eu não ter beijado ninguém além da nerd gata, a impressão que eu estava passando pra quase todas as garotas daquela balada era essa:

A impressão de que eu era o cara que todas as mulheres estavam de olho.

Enquanto isso, meus amigos estavam lá… parados, sozinhos, no fumódromo, conversando entre si, bebendo pra caralho, gastando rios de dinheiro…

E eu, até aquele momento, tinha tomado apenas uma cerveja.

E me diverti pra caralho, dei risada, tirei sarro de várias garotas, dancei igual um imbecil, não pensei no que estava fazendo…

E só não beijei umas 10 garotas diferentes porque não fui atrás.

***

Quando finalmente me cansei de me divertir e fui conversar com os meus amigos, eles diziam exatamente o que eu sempre leio nos comentários do site ou no meu email.

(por sinal, por favor, não me mandem mais emails, é impossível responder a todos).

Eles estavam vendo como eu estava me divertindo e meio que pediram conselho, dizendo:

“Cara, eu fico com medo de dar em cima das mulheres”

“Eu não sei o que falar pra elas”

“Que assunto você puxa com elas?”

“Mas eu não sei dançar! Como vou me dar bem na balada?”

E o que eu iria dizer pra eles naquela hora?

“Então cara, é só parar de bater punheta e meditar que você vai parar de pensar nisso tudo e vai viver o momento! “

Por mais que eu tentasse explicar, nenhum deles iria me ouvir de verdade.

Ou até ouvissem, mas como eles já estavam bêbados das bebidas mais caras do mundo ocidental, eles iriam esquecer de tudo o que eu falasse e iriam achar que eu tava tendo sorte.

O que você precisa entender deste artigo:

Por isso eu digo, pra você leitor do Novo Homem, pra você que tá sóbrio e leu tudo que eu escrevi até aqui.

Eu não escrevi tudo isso pra dizer o quanto eu sou fodão.

Pelo contrário.

Eu escrevi isso só pra mostrar que quando você para de dar ouvidos para aqueles medos irracionais de “E se ela não me quiser”, você vai se divertir muito mais.

Você vai parar de se preocupar e você vai lidar melhor com os resultados dos seus atos.

Você percebeu quantas vezes eu escrevi que NÃO PAREI PRA PENSAR DURANTE UM SEGUNDO, APENAS AGI?

Eu realmente não pensei naquelas ações.

Eu só fui lá e fiz.

Meu cérebro parecia que funcionava no automático, as palavras simplesmente saiam da minha boca sem eu nem pensar.

Quero que você guarde isso na sua memória:

Se você não destruir o seu pau todos os dias naquela punheta depressiva dentro do seu quarto escuro e solitário, o seu corpo vai automaticamente te obrigar a caçar mulher de verdade por aí.

E se você parar 10 minutos por dia e ouvir seus próprios pensamentos, logo você vai tomar controle deles e então você não será mais tão escravo do seu inconsciente.

Mude esses dois hábitos diários na sua vida, que sua vida vai mudar.

 

PARE COM A PUNHETA E MEDITE: COMPARTILHE ISSO COM UM AMIGO SEU
  • Alexsandro Pimentel

    Ótimo artigo Denis, vou colocar em prática só tenho uma dúvida diferente do assunto marco encontro com as mulheres e elas bebem, comem e na hora de ir embora dão um ou dois beijos e inventam uma desculpa para sair fora, como proceder nessa situação?

    • Alexsandro, eu falo disso no Química do Texto, mas já digo aqui: NUNCA pague a conta num primeiro encontro.
      Ela não fez por merecer ainda. Por que é que você que tem que pagar a conta, e ela não? Se ela ainda não demonstrou o valor dela, por que você tem que ir lá e dar dinheiro para ela?

      • Maurcio Perna

        Cara, essa menina que estou namorando agora eu conheci no happn. Ela mora em uma cidade vizinha, e depois de uma semana de papo legal no whats, marcamos de nos conhecer no finde. Ela veio até a minha cidade pra me conhecer e nos encontramos num barzinho. Ainda ficou a noite toda tomando brahma zero porque ia ter que voltar dirigindo 50km, e eu gastando 10 no uber. Achei justo eu retribuir pagando a conta. Mas é um caso excepcional, uma exceção à regra de não pagar.

        • Ah sim, isso com certeza.
          Não tem problema nenhum em “recompensar” as boas atitudes. Se a garota teve todo esse trabalho, nada mais justo do que fazer isso. E também é importante frisar pra ela que você não costuma pagar, mas que ela acabou merecendo aquilo.

          • Alexsandro Pimentel

            Complicado, Denis e perna é que a maioria das mulheres que eu saio, não tem emprego como proceder na hora da conta? Antes de marcar o encontro já devo deixar claro minhas intenções para não perder tempo e dinheiro?

          • Alexsandro, no Química do Texto eu criei um bônus só pra isso chamado “O guia do mão de vaca”. Lá eu ensino truques pra sair em encontros sem gastar nada e truques pra nunca pagar uma conta de bar por completo.

            Mas uma dica: se dinheiro é problema, por que não convida as garotas pra dar uma volta no parque que é de graça? Ou então pra tomar um sorvete que é baratinho?

          • Alexsandro Pimentel

            Vou fazer isso Denis, obrigado.

  • Carlos Silva

    Parabéns cara, ótimo artigo. Gostaria de agradecer vc pela ajuda q da a todos nós e dizer q estou seguindo seus conselhos e mesmo com pouco tempo já começo a sentir bons resultados

  • Escorpião Rei

    Cara Parabéns, vejo que você meio que virou aquele seu amigo que pegou duas garotas no churrasco, na verdade é bem simples mesmo, seja sociável.
    É como uma vez me aconteceu de uma garota bem gostosa nem olhar pra minha cara e eu fui conversar com outra e de repente essa garota anterior começou a dar em cima de min, só que eu não fiz isso intencionalmente.

    • Olha que eu nem tinha pensado nisso! Isso é verdade mesmo. O problema é que meus amigos não tentaram de fato aprender comigo, igual eu tentei aprender com o meu colega do churrasco.
      É uma pena porque eu adoraria ajudar eles.

  • João Nuno

    denis, podia ter dançado com a moça asiática… era o que ela queria! mas a mensagem é mesmo essa.

    • Hahaha eu sou horrível na dança, João! Depois de um tempo eu começo a não ter ideia do que fazer. Mas seria uma boa ideia também!

  • Francisco Franchini

    Todas as baladas que eu fui e fiquei na Neurose de pegar alguma mina, não peguei nenhuma. Esse ano, em todas que eu fui pensava apenas em me divertir, e tive alguns sucessos em todas. A ultima mesmo eu não entendi nada, acho que minha mãe jogou açúcar em mim quando eu dormia. Parecia que em todos os cantos tinha alguma mina me olhando, fiquei até meio perdido. Até que uma morena muito gata chegou em mim tipo: “oii, acho que te conheço de algum lugar”, fiquei com ela o resto da festa kkk. Porra, isso foi um marco na minha auto-estima, hoje vou pra qualquer festa pensando na certeza: “Vou me divertir pra caralho!”
    Valeu Denis, vc tem me ajudado muito cara! Abraço.

    • Exatamente, Francisco. Parece que quando a gente não cria expectativas e só quer curtir o momento, é aí que as coisas acontecem. Quanto menos expectativas, mais alegria. Até Buda dizia isso.

      • Maurcio Perna

        O difícil é conseguir não criar as expectativas. Controlar o inconsciente.

  • Leo Hugnin

    Cara!
    Eu sou casado a 2 anos e acabei encontrando o seu site por acaso, atrás de sexo casual. E comecei a ler artigo por artigo e na ultima semana em uma das viagens da minha muljher eu resolvi ir para a balada com alguns amigos e testar em campo o que eu li aqui.
    Logo quando chegeu na balada ainda meio vazia vi duas meninas dançando na pista sozinhas e todo mundo estava olhando para essas meninas, uma delas era realmente gostosa a outra nem tanto. Então resolvi tentar a mais gostosa, pq estava ali e não tinha nada a perder e não estava desesperado pra pegar ninguém. Só que ao invés de fazer o que todo os outros homens estavam fazendo que era ficar babando nela eu apenas olhei uma vez e ignorei fiquei no mesmo lugar que eu estava mas olhando para outro lado quando ela virara a bunda e rebolava eu simplismente fingia que não estava vendo em algumas vezes cheguei até virar de costas pra ela. Batata em menos de 10 minutos ela já estava muito mais próxima de mim quase que esfregando a bunda em mim. Nesse mesmo momento um outro cara que estava um pouco mais ao lado, chegou e passou a mao em volta da cintura dela e falou qualquer coisa no ouvido dela. Ela simplismente balançou a cabeça negativamente pra ele e se encostou ainda mais em mim, virou com a cabeça pra trás e perguntou se eu não dançava, eu dei um sorriso meio amarelo sem mostrar muito os dentes e balancei a cabeça dizendo que sim, apartir daí ela ja estava me abraçando e querendo me beijar. Fiquei ali por um tempo e fui dar um rolé sem pegar ela. O que eu quis dizer aqui é que as suas dicas funcionaram muito pra mim que sou casado e já estava um tempo fora do mercado e nem lembrava mais como era chegar em uma mulher na balada e o que eu mais percebi é, ela simplismente ignorou os betas que estavam ali babando por ela.

    • Hahah que coisa linda. Parece que quando você está confiante de si, você exala uma aura que atrai as mulheres. Ótimo relato!

  • Maurcio Perna

    Baita post, mais uma vez. Direto, objetivo e útil.

  • Exatamente Danilo. E muitos acham que é impossível melhorar a si mesmo… eles acham que a gente nasceu assim e ponto final. Esse é um estigma negativo criado em cima da “auto-ajuda”.
    Tá certo que 90% do que é escrito em auto-ajuda é uma bobajada sem fim, mas existe uns 10% que podem literalmente transformar a vida das pessoas.

    É uma pena que poucos aceitem isso.

  • Matheus Henrique

    Denis tu é fera mesmo em!!! poderia me dizer qual foi essa balada que voce foi? abraços!