Como a crise política brasileira mostra a imbecilidade das pessoas

  • Lula e Dilma in love a burrice da esquerda

Como a crise política brasileira mostra a imbecilidade das pessoas

Eu odeio política.

Essa política partidária, de candidato X, candidato Y, presidenta tal, vereador tal, PSDB aqui, PT ali.. puta que pariu, como isso me cansa o cérebro.

Tive uma decisão há alguns anos que nunca mais procuraria ativamente por me informar e nem por me importar com a maioria das notícias do mundo.

Minha vida nunca foi mais tranquila.

Mas com essa crise política tão fodida, nem eu que tento me tornar um recluso consegui fugir desses assuntos. E aí me deu uma curiosidade pra entender um pouco o que tá acontecendo.

Então, com a reação da nomeação do ex-presidente Lula para Ministro da Casa Civil eu tive que escrever um pouco sobre como o brasileiro médio é um imbecil.

O maior protesto já visto na história do Brasil

O maior protesto do brasil fora dilma

Antes de mais nada eu quero deixar uma coisa bem clara: não sou de direita, de esquerda, de centro, capitalista, socialista, anarquista, libertariano, PSDBista, PTista, PSOLista, ou o caralho que seja.

Eu sinceramente quero que toda essa gente se foda e que meu pau cresça (além dos 28 cm mole que já tenho).

Não escrevo nada aqui com viés conservador ou liberal. Eu não tenho partido algum. Na realidade, nem votar eu voto.

Eu não estou de lado nenhum. O que vou escrever aqui é simplesmente sobre a imbecilidade do brasileiro.

Porém, pelo teor do que está acontecendo agora, é óbvio que a maior parte do que eu vou criticar vai de encontro com a esquerda. Isso acontece apenas pelo momento histórico; se fosse do outro lado, esta crítica aconteceria do mesmo jeito.

Posto isso, vamos em frente.

Existe uma cegueira enorme em certas pessoas. No último dia 13, segundo diversas fontes, houve o maior protesto já registrado na história desse país.

Milhões de pessoas foram às ruas protestar contra a presidenta Dilma.

E qual foi o foco da crítica da esquerda?

Criticar a cor dos protestantes. Criticar que tinha uma babá trabalhando no meio do protesto. Criticar porque um bando de idiotas fizeram uma dança coreografada.

A esquerda, hoje, é a mais racista e a mais preconceituosa das vertentes políticas.

O racismo da esquerda é tão explícito que eu fico indignado que ela consiga se chamar de progressista.

Ela pega o menor dos detalhes e tenta deslegitimar a luta de milhões de pessoas.

Ela diz que a luta da direita não é uma luta válida simplesmente porque ela é… de direita.

Mas há um motivo pra isso.

A esquerda brasileira está ruindo.

O PT, que surgiu como uma alternativa para os pobres, se mostrou como sendo nada mais do que outro agente de manutenção do status quo, apenas com uma dose de manipulação a mais.

O PT é o último reduto da esquerda no Brasil. Existe o PSOL, mas ele é tão insignificante no contexto político quanto um PSTU da vida.

E então, o que acontece.. as pessoas que sempre defenderam o Lula e a Dilmãe não perceberam que estão erradas. Aliás, eles sabem no fundo da alma que tem algo de errado, mas não têm a maturidade pra admitir isso.

Então, o que eles fazem?

Tentam ao máximo proteger o seu ego, que já foi tão investido em uma visão de mundo que se mostrou mentirosa, e atacam a tudo e a todos com a mais desonesta argumentação.

A esquerda, hoje, é isso: hipócrita, desonesta e burra.

Hipócrita porque todo o alvo da sua crítica, uma hora ou outra, se torna o seu próprio comportamento. Eu adoro observar como a esquerda demoniza uma coisa um dia, para fazer exatamente essa mesma coisa uma semana depois.

Desonesta porque só vê um lado da moeda. Nunca a crítica da esquerda acontece contra a própria esquerda. No máximo, um PSOL da vida vira e fala uma besteirinha aqui e ali, mas jamais se opõe de forma rígida.

E burra porque por mais que tudo, absolutamente tudo, se mostre contrário ao que ela diz, ela continua acreditando que ela está certa. E não é uma crença superficial; ela crê do fundo da alma que ela está correta.

O silêncio nas redes sociais

Esquibunda no protesto contra dilma

Eu não uso redes sociais. Eu já usei no passado e desativei tudo porque elas são uma perda de tempo. Só tenho um perfil fake de Facebook pra ter acesso ao Tinder e ao Happn.

Mas eu decidi reativá-lo só pra dar uma olhada no que os ferrenhos defensores do PT e do Lula estavam falando sobre a nomeação dele para ministro da Casa Civil.

Não me surpreendi nem um pouco ao ver o que vi:

Silêncio.

Ninguém do pessoal da esquerda comentou nada.

No máximo alguém compartilhou algum meme político idiota, ou tirou um sarrinho ou outro de alguma cena bizarra que aconteceu na manifestação do último dia 13.

Mas comentar diretamente esse que foi o maior golpe contra a democracia das últimas décadas, a maior declaração de culpa não direta, ninguém comentou.

Sabe por que eu não me surpreendi?

Porque eu conheço da psicologia dessas pessoas. Eu sei que quando eles estão errados, eles fogem da discussão.

E é por isso que você nunca consegue vencer uma discussão com um progressista.

É impossível vencer um intelectual progressista

Leonardo Sakamoto

Por favor, o intelectual do título é uma ironia. Uma baita de uma ironia.

Os esquerdistas, os “progressistas”, adoram pagar de intelectuais. Adoram dizer que conhecem tudo. Adoram citar autores que nunca construíram nada em suas vidas, mas passaram boa parte de suas existência criticando quem fazia.

O intelectual progressista, assim, tem diversas armas para nunca perder uma discussão.

  1. Desqualificar totalmente e acusar o oponente das mais terríveis qualidades (racista! misógino! machista! homofóbico! fascista!)
  2. Recorrer a argumentos impossíveis de provar e, portanto, de refutar (existe um ente invisível que oprime todas as mulheres, chamado de patriarcado!)
  3. Mudar totalmente o contexto do que está sendo falado e refutar um argumento que não foi feito (essa é uma tática feminina básica)
  4. Se silenciar.

Assim, o intelectual de esquerda mete um discurso de que a babá está sendo oprimida. E o opressor camufla tão bem a estrutura de opressão que o oprimido não consegue enxergar a sua condição.

Ele discursa justificando a necessidade de um libertador. Mas esse libertador, obviamente, é ele. Ele que sabe mais da vida da babá apenas ao olhar uma foto dela do que ela própria sabe sobre sua vida.

Para o esquerdista não existe uma verdade objetiva, não existem fatos.

Então se a babá diz que não vê problema algum em trabalhar de uniforme e que, na realidade, ela prefere assim e elogia seus patrões por lhe darem essa vestimenta, FODA-SE.

O intelectual progressista pega pega o que ela diz e interpreta de forma a descobrir o que está oculto em suas palavras.

É óbvio que o que está oculto é a opressão do capitalismo. É óbvio que o que está por trás de todas mazelas do mundo é o patriarcado.

Tudo o que existe para ele são sinais e símbolos que devem ser interpretados sob a luz de alguma teoria marxista de dois séculos atrás.

É por isso que nunca se ganha uma discussão contra um esquerdista.

Eles ignoram todos os fatos e todas as verdades para trazer a interpretação individual deles.

Não vale a pena perder tempo com isso.

O que será do nosso país nos próximos anos

logotipo PT partido dos trabalhadores

Eu não sou um cientista social mas eu entendo muito de psicologia de massas. E sei o que as pessoas sentem quando ouvem os discursos dessas pessoas que estão no poder.

E o que as pessoas pensam?

A Dilma é uma burra. Ela é uma imbecil.

Mas elas estão erradas? É inacreditável que uma pessoa esteja no poder há mais de 5 anos seja incapaz de falar em público.

Porra, até um muleque de 15 anos consegue subir num púlpito e discursar melhor do que essa anencéfala.

O que ela está fazendo é cimentar, ainda mais, a já desacreditada esquerda.

O PT simplesmente destruiu qualquer possibilidade de haver um governo “progressista” pela próxima década.

Quem, da esquerda, será capaz de mudar essa opinião da massa nos próximos anos? PSOL? PSTU? Luciana Genro? Jean Wyllys? Maria do Rosário?

Conclusão

Eu não tenho nada a concluir.

Só estou aqui desabafando umas merdas que vejo por aí.

Mas, mais uma vez, não me coloque em nenhum saco. Não sou de direita porque critico a esquerda. Não sou conservador porque não apoio os liberais.

Não tomo nenhuma instância política porque eu tô pouco me lixando pra tudo isso. Me importar ou não me importar não vai mudar em nada a situação.

Num artigo em breve vou te explicar o porquê.

 

COMPARTILHE ESTE ARTIGO COM SEUS AMIGOS:
By |17 de Março de 2016|Básico, Outros|