Diferenças entre o alfa e o beta no dia a dia

Diferenças entre o alfa e o beta no dia a dia

Nos dois artigos anteriores focamos em diferenciar as qualidades e atitudes de um Alfa das de um Beta, entretanto faltaram exemplos práticos de como os dois lidam com as situações do dia a dia.

Mais uma vez, cada um emprega uma estratégia diferente resolver (ou não) seus problemas. Enquanto o Beta prima por não entrar e/ou fugir de um conflito para que a opinião e a validação externa não mude em relação a ele, o Alfa, por outro lado, prima por resolver o conflito de forma que os seus limites sejam respeitados. Isso não quer dizer que sua atitude seja egoísta; ele apenas age assim porque assim ele passa a mensagem que não aceita ser desrespeitado e que suas necessidades precisam ser atendidas.

O que isso quer dizer na prática? Que quando alguém te desrespeita e você não faz nada (seja pra evitar o conflito, seja por qualquer outro motivo) isso mostra para quem te desrespeitou que te falta firmeza de caráter e por isso ele pode repetir sua atitude que não haverá consequências.

Vamos deixar a teoria de lado e vamos para os dois exemplos práticos que englobam inúmeros dos conceitos explicados nos artigos anteriores:

Exemplo 1.

Um homem derruba um copo no chão, sem querer, e o quebra. Sua namorada fica brava e o xinga de idiota.

(importante: este exemplo, como todos os outros, podem acontecer tanto com namorada quanto amigo, parente, chefe, etc.)

Um Beta aceita que errou, se sente mal por ter errado, pede desculpas e limpa a bagunça. Sua atitude fraca dá início a um efeito que não vai acontecer com o Alfa: a namorada vai se alimentar de seu pedido de desculpas e invariavelmente vai sentir ainda mais raiva, causando ainda mais xingamentos (já que o primeiro xingamento foi aceito sem represália). No fim, ele irá sair como o “errado” da situação mesmo sem ter causado a bagunça de forma voluntária(afinal, ele não derrubou o copo e o quebrou por querer). Ao final de tudo, ele acaba de fato se sentindo um idiota.

O Beta pode ter outras atitudes como xingar de volta, não limpar a bagunça que causou, ir embora irritado, gritar, etc. O resultado é sempre negativo e ele continuará a ser desrespeitado por não assumir o papel de homem. Na verdade, quando ele cria ainda mais drama que o necessário isso o coloca em uma posição ainda mais inferior.

Um alfa aceita que errou, se sente mal por ter errado porém não pede desculpas – afinal, ele não fez algo que causasse mal pra alguém e muito menos teve a intenção de quebrar o copo. Além de não pedir desculpas ele não aceita o desrespeito de ser xingado. Mas ele não fica bravo, ele não grita, ele não xinga de volta, ele não perde sua compostura. Ele basicamente diz que não aceita aquele tipo de comportamento e exige desculpas pelo desrespeito.

“Eu não fiz isso por querer e não causei mal a ninguém. Você, por outro lado, me xingou com a intenção de me desrespeitar. Eu quero que você se desculpe agora.”

Simples, direto, sem drama, sem frescura. Uma pessoa adulta, diante de tal atitude, se desculparia sem questionar.

Agora, essa resposta pode surtir diversos efeitos:

– Ela pede desculpas por ter feito ele se sentir assim.

Não. Essa não é a desculpa ideal. Ele não pediu desculpas por ter desrepeitado ele, ela pediu desculpas por ele ter se sentido mal. Isso demonstra que ela não acha que o que fez está errado, pelo contrário, ela está certa e que o problema foi o sentimento de quem foi ofendido. Esse é um pedido de desculpas falso, muito utilizado por quem tem um ego grande incapaz de aceitar que errou. Um Alfa não aceita uma resposta dessas.

– Ela não se desculpa e dá início a uma discussão.

Isso é muito comum pelo mesmo motivo acima: ela tem um ego grande que não aceita que errou. Por não ter maturidade suficiente, a resposta é basicamente querer transferir a “culpa” para o outro. “Esse copo foi a minha vó que deu, blá blá blá”; “Você poderia ter me machucado, blá blá blá”; “Você nunca presta atenção em nada, seu desastrado, blá blá blá”; etc.

Este tipo de atitude não pode ser aceito. O Alfa não dá atenção pra nenhuma dessas besteiras e responde calmamente com algo que demonstre que ele não aceita isso. Algo simples como “Eu não aceito essa sua atitude infantil. Volte a falar comigo quando aprender a reconhecer seus erros como uma pessoa adulta e se desculpar por ter me desrespeitado”. Mais uma vez: calmo, sereno, lógico e pragmático. Não precisa de nada mais.

E aí o Alfa pune a mulher com a maior punição que ela pode receber: ele deixa de dar atenção pra ela. Ele vai embora caso seja possível; se morarem na mesma casa ele a ignora até que ela peça desculpas.

Exemplo 2.

Um homem descobre que a namorada mentiu sobre algo. Ao questioná-la ela diz que isso não passou de uma mentira pequena, sem importância, e que ele não deveria se rebaixar a se preocupar com algo insignificante assim.
(este exemplo aconteceu com um amigo meu).

Este meu amigo tem tendências Beta. Quando ela disse que ele não deveria se rebaixar, ele realmente se sentiu rebaixado. Ele se sentiu um idiota por se preocupar com algo tão pequeno. No final, ele pediu desculpas pra ela.

Veja bem: a namorada dele foi a pessoa quem mentiu mas no final foi ele quem pediu desculpas por se preocupar com uma mentira tão pequena.

Essa tática de envergonhamento é uma arma feminina que nunca perdeu sua eficácia. Ela é a mais básica e a mais usada pelas mulheres quando confrontadas por ter feito algo de errado. Essa tática transfere o ônus do erro para o outro: ela nunca é responsável pelas suas atitudes, a ação sempre acontece por algo exterior a ela. Ela não apenas não tem culpa por ter feito algo errado como ela ainda tenta transferir a culpa para o outro, envergonhando ele por ter confrontado ela.

“Eu mandei foto pelada pra um cara.. mas você traiu a minha confiança por ter mexido no meu celular!”; “Eu só saí com aquele cara porque você nunca me dá atenção!”; “Como você é infantil de se preocupar com isso”; etc.

Esses exemplos são a demonstração do que isso tudo é, na realidade: uma tática pra fugir da culpa. Se o cara aceita essa fuga ou se ele aceita ser envergonhado, ela ganhou. Simples assim.

Esse meu amigo conversou comigo depois do fato e eu expliquei tudo isso pra ele. Ele tinha se sentido traído por ela ter mentido pra ele mas no final se sentiu mal por ter se preocupado tanto com algo tão pequeno. Ou seja, ele caiu na tática.

Aí eu questionei ele: se o assunto que ela mentiu era algo realmente tão pequeno assim, então por que caralho ela teve que inventar uma mentira pra encobrir o fato? Existe alguma lógica nisso? Claro que não. Se não tivesse importância ela não precisaria se rebaixar a inventar uma mentira.

Outro fator importante a ser colocado em vista: ao aceitar a “mentira pequena” como algo banal, isso dá margem para que sejam aceitas “mentiras maiores” no futuro. Se não há punição pelo desvio cometido, ela nunca vai se questionar e nunca vai melhorar sua atitude perante a verdade.

Agora, se um Alfa lida com isso, a situação muda. Ele expressa que está decepcionado com a mentira dela e mostra pra ela que foi ela quem se rebaixou ao ter a atitude imoral de inventar uma mentira pra encobrir qualquer assunto que seja. Vamos ser pragmáticos aqui: é claro que ela vai continuar mentindo, assim como todos os seres humanos deste planeta mentem diariamente (eu, você, todos nós mentimos). Isso não vai mudar. O que vai mudar na atitude dela, daqui pra frente, é que ela vai pensar duas vezes antes de mentir pra ele porque sabe que seus desvios não passam impunes.

Já o Beta, por outro lado, não vai causar esse efeito. Ela não vai se questionar em momento algum antes de inventar outra mentira pra ele pois sabe que ele “não vai se rebaixar a se preocupar com uma mentira pequena”.

——————–

Duas coisas importantes que eu gostaria de frisar, mais uma vez:

– Eu costumo usar como exemplo mulheres, mas todos os seres humanos usam dessas táticas. Apenas uso a figura feminina aqui porque trato da dinâmica de um relacionamento heterossexual. Chefes de ambos os sexos utilizam essas táticas; mães, pais, amigos. Todos usam. Eu, na minha experiência, vejo isso acontecer com mais frequência dentro do âmbito de um relacionamento, e normalmente partindo do lado da mulher. Mas não se engane achando que homens (ou mesmo você) não use dessas táticas.

– A punição, que eu tanto falo, é pra ser sempre pensada de maneira serena e lógica. Nunca, nunca, deve ter como resposta uma agressão física, principalmente com alguém inferior na questão física como são as mulheres e as crianças. A melhor punição é, como mostrarei num artigo futuro, a ausência da sua atenção. Ela fez algo de errado? Pare de dar atenção. Ela continua fazendo algo de errado repetidas vezes? Diga pra ela que se repetir mais uma vez você vai cortar a atenção dela pra sempre, terminando com ela. Não há nada pior pra elas (e que aumente ainda mais o respeito que ela tem por você) do que mostrar que ela precisa mais de você do que você precisa dela.